HOME > ARTIGOS

Exercício: uma arma contra a hipertensão

Untitled Document

A manutenção de níveis normais da pressão arterial é uma das condições mais importantes para preservar a saúde. Quando a pressão arterial se mantém elevada, nosso organismo torna-se vulnerável e predisposto a desenvolver doenças que à médio e longo prazo terão consequências gravíssimas.

A hipertensão arterial é, portanto, uma doença perigosa e traiçoeira. Seu perigo maior reside principalmente no fato de que geralmente o hipertenso não percebe nenhum sintoma que possa alertar para o risco que está correndo. Em função desse problema, devemos incluir como hábito regular o controle da pressão arterial. Cabe ressaltar que este controle deve ser feito por profissional habilitado, com uso de aparelho adequadamente aferido. Em muitos casos, a medida errada da pressão arterial constitui um risco tão grande quanto a própria doença.

Atualmente, a Medicina já conta com armas terapêuticas extremamente eficientes para tratar a hipertensão arterial. Entretanto, existe uma terapêutica que cada vez mais é incorporada ao tratamento e à prevenção da hipertensão, com custo praticamente zero e resultados fantásticos: o exercício físico!

A literatura científica torna-se cada vez mais recheada de informações caracterizando a importância e a eficácia da prática regular de exercícios, tanto para prevenir quanto para tratar a hipertensão.

A prevenção é uma atitude que deve ser incorporada às nossas prioridades de vida. Quem pratica regularmente exercícios físicos, "massageia" suas artérias com o pulsar do sangue. Esse benefício se transfere em termos de flexibilidade das paredes arteriais, evitando o enrigecimento das mesmas, o que constitui um dos principais cuidados para prevenir doenças. Por outro lado, quando fazemos exercícios, nossos músculos produzem substâncias que dilatam os vasos sanguíneos mais periféricos. Esse efeito "acomoda" melhor o sangue na circulação, reduzindo a pressão arterial.

Concluímos portanto que o exercício físico bem orientado produz o mesmo efeito, após sua realização, que um remédio vasodilatador. É tamanha sua eficácia que os cardiologistas já estão "receitando" exercícios 2 a 3 vezes ao dia no tratamento da hipertensão.

Trabalhos científicos recentes mostram inclusive que o exercício físico potencializa o efeito da medicação anti-hipertensiva. Conclui-se que fazer exercícios regularmente representa um tratamento de saúde capaz de atuar contra a hipertensão com poderosa eficácia, usando contra a doença uma arma tão poderosa quanto os seus efeitos traiçoeiros.

Se a hipertensão é "invisível", os benefícios da atividade física também o são. Entretanto, apesar de nós não estarmos vendo, nossas artérias tornam-se mais "saudáveis e bonitas"!


Prof. Dr. Turíbio Leite de Barros Neto


Voltar